Sábado, 12 de Março de 2011

Balanço do sismo no Japão ao fim da noite aponta para 1000 mortos (SAPO/AFP)

O sismo e o tsunami que atingiram o Japão esta sexta-feira terão feito cerca de 1000 vítimas. Este era o balanço das autoridades japoneses por volta das 20h de Lisboa, madrugada no Japão.

Um terramoto de magnitude 8,9, o mais forte registado até à data no Japão, abalou nesta sexta-feira às 14h46 locais o nordeste do país, seguido de um tsunami. As ondas, que chegaram aos 10 metros de altura, varreram o litoral do Pacífico, fazendo numerosos mortos e desaparecidos. Uma onda de lama e de destroços seguiu em grande velocidade através de campos e estradas, devastando tudo à sua passagem. Em alguns lugares, a água entrou até cinco quilómetros pelo interior.





 

O primeiro número oficial de vítimas divulgado pela polícia nacional falava em pelo menos 40 mortos e 39 desaparecidos, e 244 pessoas feridas. Mas começaram a subir rapidamente para prováveis mais de 1.000 mortos segundo a agência de notícias Kyodo.

A agência de notícias Jiji relatou que 200 a 300 corpos foram descobertos numa praia de Sendai, na prefeitura de Miyagi, nordeste. No total, 402 corpos já foram encontrados em diferentes localidades do norte e do leste do Japão. Os números deverão ser actualizados à medida que as autoridades japonesas se inteirarem da dimensão da tragédia.

Além dos 402 mortos, há 673 desaparecidos e 991 feridos, informou a polícia às 06H45 locais deste sábado, acrescentando que há dificuldades para se realizar uma avaliação precisa devido ao grande número de áreas atingidas.

A imprensa japonesa teme um grande número de mortos na ilha de Honshu, na costa nordeste do país, onde ondas monstruosas destruíram mais de 3.000 casas.


Onda de 10m arrasou a cidade de Sendai

No Japão, ondas de dez metros de altura arrasaram o litoral de Sendai. Vagas de sete metros atingiram a vizinha Fukushima, segundo a imprensa local, onde se encontra uma central nuclear.

Um novo terramoto de 6,6 graus de magnitude atingiu por volta das 04h00 locais de sábado a região montanhosa de Niigata, no noroeste do Japão, anunciou a emissora de rádio e televisão NHK. A agência de notícias Kyodo informou, por sua vez, que não havia um novo alerta de tsunami.


Também em Sendai, um navio com cerca de cem pessoas a bordo foi levado pelas águas, ignorando-se o destino dos seus ocupantes. Desapareceram igualmente dois comboios, um deles de passageiros, engolidos pelas ondas, com um número desconhecido de pessoas a bordo.


Em Tóquio, a cerca de 380 km do epicentro, os arranha-céus, construídos sobre estruturas anti-sísmicas especiais, balançaram durante longos minutos. Dezenas de incêndios foram observados na capital, onde há muitos feridos. Quatro milhões de lares estavam sem electricidade. Também na região de Tóquio, uma refinaria de petróleo ardia.


O aeroporto internacional de Narita, cerca de 50 quilómetros a leste de Tóquio, suspendeu o tráfego por várias horas, anunciando, à noite, que as operações recomeçavam progressivamente.


Os transportes ferroviários e rodoviários foram interrompidos em grande parte do arquipélago, em particular em Tóquio e arredores, bloqueando milhões de pessoas que tomaram de assalto os hotéis da cidade, ou que tentaram chegar a casa a pé.



A onda chegou às ilhas do Pacífico e aos EUA


Após o sismo, a maior parte dos Estados do Pacífico, da Oceania à América Latina, emitiram alertas de tsunami, mas nenhum dano significativo foi observado até ao momento fora do arquipélago nipónico.


As zonas litorais foram evacuadas nas ilhas Marianas, assim como nas de Guam e no Havai. A Colômbia constatou uma subida de 50 centímetros no nível do mar. No Equador, onde foi decretado estado de emergência, foi ordenada a evacuação das regiões ameaçadas.

As autoridades da Califórnia também ordenaram nesta sexta-feira a retirada de centenas de pessoas das zonas baixas. A costa oeste americana sentiu os efeitos das ondas 12 horas depois da ocorrência do sismono Japão, informou Tina Walker, porta-voz da Agência Pública de Gestão de Situações de Emergência.


Os grandes sismos do Japão


O Japão, situado na confluência de quatro placas tectónicas, sofre anualmente cerca de 20% dos tremores mais fortes registados na Terra. Em 1923, a cidade de Tóquio foi devastada por um sismo intenso, que fez 140 000 mortes. Mais recentemente, em 1995, o sismo de Kobe (oeste) fez mais de 6400 mortos.

SAPO/AFP
publicado por mixkids às 08:02
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
16
17
18
19
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Mondo Tv compra Gaumont F...

. [Notícia] Anipop Matsuri ...

. [Noticia] Estreias na Sic...

. CLAMP anuncia final de Ko...

. Scan2Go

. Novidades DVD da Semana d...

. barraca na estreia de Ful...

. Guia de Livrarias Manga

. bleach na radical finalme...

. [Noticia] ANICOMICS LISBO...

.arquivos

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

.tags

. todas as tags

.links

.contador

Restaurantes
Contador de acesso e visitas
blogs SAPO

.subscrever feeds